terça-feira, 13 de novembro de 2012

The Hollow Crown: Ricardo II

Ah, a BBC! Sempre com suas séries maravilhosas, seus atores maravilhosos... Enfim. Esse ano a TV inglesa lançou o Projeto Shakespeare Unlocked, uma contribuição ao London 2012 Festival. Tá, contribuição, mas você acha fácil (e barato) adaptar com o mínimo de dignidade uma obra de Shakespeare? Imagine então se forem 3 obras! Sam Mendes, o produtor até conseguiu parte do dinheiro com a BBC2, mas teve que ir batendo de porta em porta até achar alguém que comprasse a ideia. Tá fácil pra ninguém não. Mas de qualquer maneira, graças a Shakespeare atuando em algum lugar, ele conseguiu e é dessa série, The Hollow Crown, que eu vou começar a falar hoje.
Mas, antes, só uma coisa: é muito difícil resenhar Shakespeare.

As obras adaptadas são Ricardo II, Henrique IV (parte 1 e parte 2) e Henrique V. Traduzindo assim por cima, The Hollow Crown significa a cora oca, ou a coroa vazia. São três histórias de reis, dos seus próprios conflitos existenciais, espirituais, que seja. O ponto em comum das três obras é, naturalmente, o ponto forte de Shakespeare: entender - e explicar - os milhares de significados incutidos no ato de ser humano.

Mas vamos por partes.

Ricardo II
"Vamos nos sentar no chão e contar histórias tristes sobre as mortes dos reis"


Ver o reinado de Ricardo II, neste filme de pouco mais de 2 horas, é ver cores - nas roupas dos súditos, nos quadros pintados - e ver tons pastéis sobre a majestade, frágil majestade... Interpretado por Ben Wishaw, a aparência de Ricardo II é a aparência da delicadeza, de tudo que é sutil, suave - inclusive no seu modo de falar. Um menino por assim dizer... Mas pode um menino cobrir as responsabilidades de um rei?

Ben Wishaw é Ricardo II na série The Hollow Crown
Logo no início, vemos dois homens em frente ao rei e, ao redor, espectadores atentos. Henrique de Hereford (também  conhecido como Bolinbroke), um primo do rei e Thomas Mowbray, o Duque de Norfolk, acusam um ao outro de alta traição a majestade. Não vou dar spoilers, mas há duas coisas importantes no que se segue: as decisões do rei: efêmeras, baseadas em suas vontades momentâneas, como uma criança que ganha um brinquedo, o adora e, 5 segundos depois, o despreza. Coisa 2, a honra.

"O mais puro tesouro que tempos mortais podem pagar é uma reputação sem mancha. Minha honra é minha vida, ambas cresceram juntas. Tire minha honra de mim e minha vida está acabada.", diz o Thomas Mowbray, em vista da tentativa de reconciliação proposta pelo rei.

Não se mexe com os brios de um cavalheiro inglês. Muito menos com os brios de um rei inglês, que logo ordena para que o primo destrua Thomas. Ser humano inconstante? Não imagina...

Enfim, o que parece um simples conflito, desprezível aos olhos do reino, vem provar-se a origem da ruína... O que é natural da vida, são nossas ações e decisões que calçam nosso caminho - seja para o sucesso ou para a desgraça -, não é mesmo? Além da sorte ou dá má sorte, e essa última, acredite também faz parte da história de Ricardo II.

Para os mais atentos, é uma delícia apreciar as motivações humanas, suas vertentes, sua natureza tão simples mas, talvez por isso tão complicada. É como ver John of Gaunt (palmas para Patrick Stewart!), o pai de Bolinbroke, a beira da morte, declarar seu amor a sua querida Inglaterra e desafiar o rei, jogando na cara tudo o que ele tem sido, o que ele tem feito a si mesmo, ao reino. Especialmente nessa cena, você reconhece a 'maldade' nos olhos de Ricardo misturada a um desprezo, com o perdão do trocadilho, supremo pelo moribundo. Mas John consegue pôr o dedo na ferida a ponto de ter a ponta da espada do seu soberano a centímetros do seu pescoço.

Pra quem manja de inglês, parte da cena em que John of Gaunt desafia o rei Ricardo II.

"Quem respira a custo, só respira a verdade", diz ele ao Rei.

E da morte de John Gaunt é que retorna Bolinbroke, em nome do próprio pai e da terra amada e, enquanto o rei está longe, vem disposto a conquistar a Inglaterra e dar-lhe novo rumo.

Enfim, falando um pouco da estética do filme, a direção de fotografia foca bastante - mas muito mesmo - nos detalhes. As luvas dos cavalheiros, suas armas, e, principalmente a face do rei. Plácido e, novamente, tranquilo, sutil, mesmo quando zangado, é difícil alterar-lhe a expressão, ao menos nos primeiros momentos. É feita certa relação entre Ricardo II e a imagem de Cristo crucificado, dando a ideia do poder divino que o rei julgava ter, o que cabe bem a ele que manobrava seus poderes de forma tão dramática, como que numa grande encenação.

Interpretações fantásticas, e uma virada um tanto vertiginosa, olhando o filme como um todo. E que começa da forma mais sutil possível - que, confesso, chegou a me entediar por alguns instantes - e entra numa agitação crescente, chegando ao ponto mais dramático - incluindo cabeças decepadas e tudo mais. E muito me interessou a reação do rei diante da possibilidade do fim. Confusão? Otimismo? Desespero? Desprezo? Tudo isso. E mais um pouco.


E o fim é doloroso, torturante, e que pode ser facilmente ilustrado pelo confronto entre Ricardo e a coroa, coroa onde mil bajuladores abrigavam-se, e onde ele mesmo se protegia.
 O rei Ricardo II vê a própria derrocada em câmera lenta, entre lampejos de otimismo e de profunda depressão. E é então um menino desconsolado que entrega sua coroa ao Bolinbroke, Henrique, o quarto em seu nome.

Numa cena lindíssima, Henrique recebe a coroa de Ricardo


Mas pra você saber de Henrique IV, só no próximo post ;]

Nenhum comentário:

Postar um comentário