terça-feira, 10 de julho de 2012

Semana do Rock - 70's

A década de 70 começou um pouco tensa. Em 69, o fundador dos Rolling Stones, Brian Jones, morre. No ano seguinte, Beatles anunciam seu fim, morrem Janis Joplin, Jimi Henrix e, mais tarde, Jim Morrison. O que viria a seguir?

Rock progressivo
Estilo também desnvolvido na Inglaterra, o rock progressivo tem suas bases em traços da pscicodelia. Sua maior contribuição foi quanto a introdução e expansão de outros instrumentos musicais como teclados, violinos, flautas... Sem esquecer do uso desenfreado do então recém-lançado sintetizador moog.
Entre as grandes bandas  desse gênero estão Emerson, Lake & Palmer, trio que se consagrou com o terceiro disco, "Trilogy" e, posterirmente incluiu muitas peças de música clássica inclusive nos shows. Greg Lake, inclusive já tinha cantado com outra banda do gênero, o King Crimson, que teve o primeiro álbum "In the court of Crimson King" como grande marco do rock progressivo, gravado depois da apresentação do grupo num show promovido pelo Rolling Stones, em 1969. O guitarrista do King Crimson, Robert Fripp é considerado o master do estlo.O Genesis atravessou décadas, porém a fase mais fértil foi durante a década de 70. Com o perfomático Peter Gabriel nos vocais, emplacaram discos de sucesso como "Selling England by the Pound" que trazia o hit "I know what I like". O Jethro Tull trazia a flauta transversal maravilhosamente tocada por Ian Anderson. Um dos melhores discos do grupo, é "Aqualung", além dele, houveram discos experimentais e conceituais, o primeiro, "Thick as a Brick", um álbum de duas músicas (15 minutos cada uma) com a capa a contar inúmeras histórias absurdas. Mas foi o Yes a banda master do rock progressivo. Com influência dos Beatles, pelo pscicodelismo, música clásica e folk, foi no terceiro álbum "The Yes album" que a banda firmou o estilo. Vieram vários álbuns de sucesso e com capas igualmente maravilhosas feitas pelo desenhisa Roger Dean. Outras tantas bandas exploraram o rock prgressivo, entre elas, Eletric Light Orchestra, Focus, The Strawbs...

 
Glam Rock
Criado na Inglaterra, o Glam Rock, também conhecido como Glitter Rock tinha como principal característica o look extravagante, cheio de purpurina, saltos, lantejoulas batons berrantes, etc, etc, que abriram caminho para a androginia num rock elétrico e sensual, com melodia pop, daquelas que grudam na cabeça.T. Rex foi a banda pioneira do estilo, com o clássico "Eletric Warrior". Slade também marcou o gênero principalmente com o álbum "Slayed". Roxy Music fez história, com os discos mais influentes do gênero - de todas as formas, não só nas músicas mas também nas capas dos discos, sensuais mas nunca vulgares. Entre seus grandes clássicos, está "Virginia Plain".
Outras bandas importantes do gênero são Mott the Hoople e Sweet. Nos EUA, as bandas de glam rock de maior sucesso foram The New York Dolls, numa vesão ainda mais escrachada do glam inglês, influenciado inclusive pelos Rolling Stones (pelo rebolado do Mick, eu imagino). A The New York Dolls gravou apenas dois álbuns de estúdio, mas foi o suficiente para se tornarum clássico.
Glam ou não, Lou Reed teve certa influência do estilo, inclusive no seu visual um tanto andrógino, o que rendeu sucessos como "Perfect Day" e "Vicious" e ainda gerou alguns álbuns, inclusive um ao vivo "Lou Reed Live". Daí pra frente, ele se encaixou melhor no estilo punk e new wave.
 O Glam Rock influenciou tantas utras bandas que não eram beem do glitter. Tipo um tal Ziggy Stardust.

Surge o Camaleão do Rock
David Bowie lança "The Rise and the Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars" em 1972, apresentando seu rockstar andrógino que vem de outro mundo. Nos shows, era cabelo laranja, maquiagem chamativa, apresentações pra lá de teatrais.
Foi um sucesso na Europa e também nos EUA e Bowie lança "Alladin Sane" em 73, além de trabalhar na produção de Iggy Pop e The Stooges em Raw Power. Depois do disco Pin Ups (com covers de músicas que o influenciou), foi anunciado o fim do Ziggy Stardust.
Sem o rockstar extraterrestre, o camaleão muda e o hit "Rebel, Rebel" (adoro) vem no novo disco "Diamond Dogs", que teve a capa censurada (David nu, metade homem, metade cachorro). A capa chocava pela excentricidade, já seu visual nos shows chocava pela... sobriedade! Ele começou a se apresenta de terno mega elegantes. Em sua música, introduziu um pouco da soul music. O hit "Fame" foi produzido por ele, John lennon e Carlos Alomar, além disso estreou no cinema com "O homem que caiu da terra". Em Berlim, produziu o álbum "Low" e depois o "Heroes", esse com hit de mesmo nome. Ambos os álbuns influenciaram, e ainda influenciam gerações.

Queen
Liderados pelo extraordinário e carismático Freddy Mercury a banda britânica foi uma das mais populares da década de 70 apresentando-se com magníficas produções em seus concertos e nos videoclipes de suas músicas. Apesar de todas as criticas e serem taxados de "comerciais" alcançou um incrível sucesso e fanatismo dos fãs graças a sua mistura única, complexa e elaborada. Foi a partir do terceiro álbum "Sheer Heart Attack" que houve uma reviravolta na trajetória da banda e abriu caminho para a concretização do Queen, em 1975 houve o tão esperado reconhecimento com o disco "A Night Ah The Opera”, topo de parada que definiu o novo estilo de rock, Rock Arte, trazendo canções como "Love Of My Life" e "Bohemian Rhapsody", fazendo assim o Rock Ópera.

Elton John
Já tocava piano aos 3 anos de idade o que nos dá uma previa do grande showman que viria a se tornar, atingiu o auge nos anos 70 sendo considerado o segundo artista mais importante da mesma e sendo assim considerado um dos maiores astros do rock do planeta, exatamente em 1970 lançou um dos seus maiores sucessos “Your Song” que veio seguido do seus dois melhores álbuns “GoodbyeYellowBrick Road (1973) e Captain Fantastic and The Brown Dirt Cowboy (1975).

Santana
Junto com sua Blues Band, o Santana, fez sucesso de verdade durante o Festival de Woodstock, chamando a atenção pela mistura de rock com música latina, além dos longos solos de guitarra. Com a mesma banda, surgiram os sucessos "Evil Ways" e "soul Sacrifice" no álbum de estreia, depois mais 2, incluindo o conhecido "Abraxas". Em 1971 a formação da banda muda, e Santana mergulha no hinduíso, e músicas intimistas e reflexivas, o que só viria a mudar na década seguinte.

Eric Clapton
Depois do término do Cream, Eric participou das bands Blind Faith e Derek and the Dominoes. Seguindo carreira solo, saiu o álbum "Layla & Other Songs", sim, aquele do sucesso eterno, Layla, a canção de amor que Clapton fez pra namorada do George Harrison, Pattie, sem contar "Blues power" e "After Midnight, Let It Rain" outros grandes sucessos. Depois de mergulhar no uso de heroína, em 1973, Clapton retorna no "Eric Clapton's Rainbow Concert". Daí vem outros tantos sucessos.


O Punk
A década de 70 é lembrada principalmente pelo surgimento do Punk, estilo criado por jovens pobres , renegados e entediados que resolveram agitar as coisas. Eles tinham pressa - chega de eternos solos de guitarra - e queriam gritar. Gritar muito. A regra era ser curto e grosso. Músicas chegando no máximo aos 3 minutos, críticas ferrenhas a sociedade, tudo em no máximo três acordes.
Mais do que um gênero musical, ser punk era assumir toda uma atitude, que vinha da música até as roupas vestidas - muito preto, couro e metal - e o jeito de pensar. Como de costume, o gênero foi desenvolvido na Inglaterra e seu primeiro grande nome foi o Sex Pistols.
A banda começou na butique de Malcolm McLaren -ex empresário do New York Dolls - Glen Matlock, o baixista, trabalhava na loja, o baterista, Paul Cook e o guitarrista, Steve Jones, eram fregueses. Quando resolveram formar o grupo, Johnny Rotten apareceu para ser o vocalista. Quando conseguiram contrato com a EMI, já causara escândalo com a música "Anarchy in UK". Assinando com a Vingin Records, outra música escandalosa que foi proibida de de tocar na BBC, "God Save The Queen". Glen sai da banda, e entra o mais lembrado da banda, Sid Vicious que, apesar de mal saber tocar contrabaixo, compensava tudo em sua atitude. Daí saiu o único álum de estúdio, "Never Mind the Bullocks, Here's the Sex Pistols". Depois de uma turnê pelos EUA, o grupo acabou.A passagem foi meteórica, foi condizente com o estilo punk, rápido e rasteiro.
Se o Sex Pistols é considerado o primeiro grande nome, pode ser considerado a alma do punk britânico o Clash que misturou a sua música o reggae e o rockabilly, numa série de discos históricos, com letras que iam muito além dos gritos, fortemente politizada com certo caráter esquerdista, protestavam contra a monarquia e a aristocracia, mas não chegavam a ser anarquistas, como a maioria dos punks da época. A banda só acabou em 86, deixando 6 discos que fizeram alguns considerarem o Clash como a "única banda que importa"
O Punk americano já não era tão politizado. Na América, queriam diversão. Com músicas fáceis e grudentas, inspiradas nas canções dos anos 50 e 60, o Ramones é o nome maior do Punk americano Letras simples e bem-humoradas, aos poucos foram conquistando o público e hoje é impossível falar em Punk sem lembrar dos Ramones.
Muitas bandas do gênero surgiram, e merecem audição, The Rezillos, The Damned, The Adverts, Eddie & The Hot Rods, Sham 69, The Vibrators, entre tantas outras.


Nasce o Heavy Metal
Já da metade da década de 60 pra frente, na Inglaterra, algumas bandas começaram a tocar cada vez mais pesado. É o caso do Who, do Cream... Os Beatles lançaram "Helter Skelter" - que muitos consideram a primeira música do heavy metal - mas a banda pioneira do estilo é o Led Zepelin. No segundo disco "Led Zepelin II", já emplacaram o que seria o primeiro hit heavy metal, "Whole Lotta Love". Além do hard rock, havia no Led Zepelin uma mistura de blues -mais forte no primeiro disco-  e das raízes do folk. Quanto mais a banda pegava pesado, mais sucesso fazia, "Black Dog", "Rock and Roll"... E, engraçado, a canção que consagrou de vez a banda foi justamente a balada folk "Stairway to Heaven".

Outra banda responsável pela definição do estilo heavy metal foi o Black Sabbath, não só na música, mas na atitude - o primeiro álbum já chocou pela macabra mulher na capa, uma desconhecida, tanto quanto o fotógrafo que só sabiam que se chamava Keef. Um dos primeiros grandes sucesso da banda, também foi uma balada, "Changes" do disco "Black Sabbath, Vol. 4". No fim da década de 70 o Ozzy sai do Black Sabbath, dando fim a melhor formação da banda, que só voltaria em 1997 com o disco "Reunion" ao vivo.
No entanto, isso não significa uma piora na banda. Nos vocais entra Ronnie James Dio, a grande voz do heavy metal. Antes do Sabbath, ele esteve nas bandas ELF (tocando contrabaixo) e Rainbow (junto com o ex-guitarrista do Dep Purple, Ritchie Blackmore), num total de 6 álbuns gravados. Com o Black Sabbath, ele gravou três álbuns de estúdio, depois partiu pra carreira solo.

Já nos EUA, surgiram Alice Cooper e seus shows violentos, cheios de sangue e objetos macabros, além do visual andrógino, emplacando o sucesso "I'm eighteen" e também surfiu o Kiss num visual Glam bem mais chamativo por conta das maquiagens mais piradas da história do rock. Emplacou hits como "Rock and Roll All Nite" e "Strutter" e no final da década, cada um dos integrantes resolveram gravar álbuns solos. Retornando em 80 com outros tantos álbuns de sucesso.

O Deep Purple é uma das bandas que beberam da fonte do heavy metal, tendo como melhor fase de 1969 até 1973, que continuveram os sucessos "Smoke on the Water", "Hush" e "Highway Star". Mas a banda não se encaixa apenas no heavy metal. Pode ser considerada hard rock e também pertencente a outro gênero da década, o rock de arena.

Rock de Arena
A especialidade desse estilo é lotar estádios e arenas.
Quem logo provou ser mestre dessa arte foi o grupo australiano AC/DC. Na década de 70, com Bon Scott, chamaram a atenção da crítica logo no primeiro álbum "High Voltage". O primeiro clássico, "Whole Lotta Rosie" veio no segundo disco "Let There Be Rock". E eu concordo com o Kid Vinil, no seu Almanaque do Rock que o AC/DC tem o melhor nome de álbum de rock ao vivo, "If You Want Blood, You've Got It", pra não falar da capa, a guitarra atravessada no peito de Angus Young, definitivamente, a estrela master da banda com seu eterno vestuário de colegial, saltando como um maluco pelo palco. A banda Grand Funk Railroad é outra que se mostrou digna de estar entre os melhores no rock de arena, com uma sucessão de grandes álbuns. Entram aqui Aerosmith, influenciado fortemente pelos Rolling Stones e New York Dolls, com hard rock, heavy metal e blues. Entre as outras bandas, Bad company, Boston, BTO e Peter Frampton.

Foi nesta década que também nasceu o New Wave, uma vertente mais pop do punk, expressado por bandas como Talking Heads, Blondie, Devo e no final da década com Elvis Costello. O estilo se desenvolve na década seguinte.

No Brasil, os Mutantes misturaram rock progressivo, pscicodelia e Beatles. Abanda chegou ao fim em 78, e Rita Lee investiu na carreira solo (antes do fim da banda, Rita já havia lançado dois discos). Surgia a "Rosa de Hiroshima", "O Vira" e "Fala", vindo do trio Secos & Molhados. Raul Seixas vai ganhando o país com "Ouro de Tolo", "Mosca na Sopa" e "Metamorfose Ambulante" entre outros grandes sucessos, estabelecendo parceria com o escritor Paulo Coelho. Foi em 74 que Raul foi preso e torturado pelo Dops, pela divulgação de sua "Sociedade Alternativa". Inquieto, produziu outros discos, além de gravar com Marcelo Nova "A Panela do Diabo", que foi lançado em 89, dois dias antes dele morrer. Surgiram também os Novos Baianos, inspirados pela tropicália de 60, e tiveram como obra-prima o disco "Acabou Chorare"

A década de 70 foi berço de inúmeros estilos, gêneros, além do revival do Mod de 60 e da explosão da Disco Music. Mais fértil ainda, prometia ser a década de 80, com o surgimento de inúmeros estilos além da maior novidade, o CD.

Fonte:
O maravilhoso "Almanaque do Rock", do Kid Vinil.
Wikipédia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário